quarta-feira, 15 de setembro de 2010


ALMAS GÉMEAS

É manha
é outro dia
e a brisa mansa
que descansa
no longínquo horizonte
é a fonte inspiradora
da poesia .

Detentora do aroma
que é a soma
do orvalho e da neblina
contrastando levemente
com os olhos da menina
a brilhar
com o reflexo solar
a despontar no infinito .

Dando inicio ao novo tempo
no apagar de cada estrela
que revela a magia
de um amor
que ocorreu
no esplendor da madrugada
entre a princesa e o plebeu .

A paixão predestinada aconteceu
vem de muitas outras vidas
e entre fugas e partidas
o encontro
num confronto inevitável
de desejo e prazer
após um beijo .

CLAUDIO F. SANTOS




Um comentário:

Catarina disse...

Bela madrugada!
Bela fonte!
Belo poeta!
Parabéns! Deus o abençõe.
Beijos.